Archive for the ‘carol ol’ Tag

Essa noite eu sonhei com você

Não sei porque, pois tem tanto tempo que a gente não se econtra de verdade que eu já nem sentia mais saudades. As últimas vezes que te vi foram tão rápidas e tão diferentes do que costumavam ser, que eu nem imaginava que poderia ter um sonho desses.

Então eu encontrei uns arquivos pra lá de antigos no computador e foi mexendo neles que vi uma foto sua com o mesmo cabelo que você tinha no meu sonho. Era naquela época de cabelos ruivos, sabe? E bem lisinhos. Bati o olho naquela foto que você tirou enquanto falava no celular comigo chorando por causa de um namoradinho insignificante e lembrei do sonho…

No sonho eu e a Isa te chamávamos pra sair, mas apesar de falarmos pelo celular eu te via e você falava que não sabia se ia ou não com aquela voz de dúvida sua e fazia aquela sua cara de “não sei” acompanhada de uma risadinha. A Pri também estava lá e chamava pra festa que era na fazenda.

Foi tão bom, porque a gente não tinha nada de mais importante a não ser te convencer de ir na festa da fazenda. E você estava em dúvida, imagino, porque também sente saudades daquela época, mas faz de tudo para lidar com a nova fase paz e amor vegetariana que você inventou de viver. Uma fase que eu não entendo, pois você mudou muito e deixou muita coisa para trás. Praticamente não é a mesma pessoa, a mesma amiga de antes.

Então resolvi fuçar até encontrar mais fotos nossas. A gente se divertia tanto. Encontrei umas frases nossas como aquela que diz que até as cerejas são felizes menos nós, mas na verdade eu era feliz sim com você ao meu lado, ou ao lado da Balalaika que sempre virava nossa companheira.

De repente deu um salto no tempo e do nada tudo ficou para trás e nós praticamente viramos conhecidas. Talvez se eu não tivesse te convencido a ir naquela rave comigo você nunca teria começado a gostar dessas coisas de natureza com drogas, apesar de afirmar que só gosta mesmo é da música e da natureza. Eu também gosto mesmo é apenas da música e da natureza, então porque eu comecei a me sentir tão diferente de você e a gente nunca mais conseguiu ter uma conversa em comum?

Essa noite eu sonhei com você e me vieram os belos momentos guardados na memória.

Cerejas Felizes

Ate as cerejas são felizes

O cu do namorado

Ela pega a câmera, chama o namorado e o tranca no quarto.

– Deixa?
– Deixa o que?
– Tirar uma foto do seu…
– Meu o que?
– Do seu cu, uai.
– Meu cu? Claro que não! Louca!
– Ah, qual o problema?
– Como assim?
– Você me ama?
– Amo, mas o que o cu tem com isso?
– Nossa, tudo! Isso seria um grande passo no amor.
– O cu?
– Quando eu era pequena, era normal ter cu. Agora é essa frescura.
– Mas pra quê uma foto do meu… do meu cu?
– Pra eu ver como ele é, oras!
– Cu é tudo igual!
– Como você sabe? Fica vendo cus por aí?
– Não, mas a gente sabe que é igual!
– Então quer dizer que pinto e perereca também são todos iguais?
– Sim!
– Eu não acho que os pintos são todos iguais.
– Ah, quantos pintos você já viu pra falar isso?
– Um monte.
– Como assim um monte!?
– Interneeeeeeet, querido!
– Fica procurando pintos na Internet?
– Você também fica vendo filmes pornôs. E nem fico procurando. Só ás vezes e não bato siririca enquanto faço isso, só olho. Você fica batendo punheta quando vê os filmes.
– Normal.
– Cu é normal. Deixaaaa eu tirar uma foto!
– Então você deixa eu tirar do seu?
– Uai, deixo.
– Louca.
– Medroso. Então vem, deixa eu te depilar antes da foto.
– Depilar???
– Acha que eu enxergo alguma coisa com esse tanto de pêlos?
– Mas como assim me depilar?
– Deita com a bunda pra cima que eu te mostro. Com cera é melhor, não vai doer.
– Louca!!! Nunca!!!
– Que medo é esse de mostrar o cu?
– Se quiser ver se cu é tudo igual, vai procurar na Internet!

Ele sai do quarto ofegante. Mas ela sabe:
– Ainda terei argumentos suficientes para conseguir tirar essa foto.

Ele começou com três dedos, mas terminou com os 10

Eu quis começar apenas com uns dois dedos, ir devagar, para não assustar muito. Ele me perguntou “É dois mesmo?” com aquele tom de voz que insinua uma mãe inteira. Eu já fiz algumas vezes umas loucuras assim, não era minha primeira vez nesse tipo de situação com dedos e mãos, mas fazia tempo que eu não passava por isso e estava com medo de arrepender. Mas eu estava mesmo doida de vontade de toda aquela mão e, se possível, até das duas!
Ele percebeu, é claro, mas ainda assim foi aos poucos, com seus três dedos grandes e grossos.
Eu quis mais. “Mais dedos!” e ele pediu que eu mudasse de posição porque “vai ser radical” e quando eu vi, era a mão inteira.
Bom, quem deixa uma mão inteira deixa duas, né? Ele também achou isso quando me voltou para a posição inicial e perguntou se eu queria a navalha dele também. Óbvio que eu aceitei. Cada navalhada, um prazer enorme.
Foram uns 40 minutos de diversão.
Cortar o cabelo para mim é o que há de melhor. E cortar dez dedos de comprimento em um dia, melhor ainda.

Trouxas apaixonadas

Ah, como é lindo o amor que uma mulher sente por um homem. É um amor sem tamanho, que alcança lugares inalcançáveis, com muitas flores, perfumes e beijinhos.
Mulheres apaixonadas cometem loucuras. Loucuras do tipo “ele me bate, mas ele me ama e isso é o que importa”.
Eu a-do-ro esse tipo de mulher que aceita comportamentos que eu mesma nunca imaginei aceitar.
Durante o namoro, o homem é perfeito. Depois que casa, estraga. Estraga mesmo e quem estraga os homens são essas mulheres submissas que fazem questão de molhar o avental na pia, esquentar a barriga no fogão e abrir as pernas na cama apenas pelo fato de ser mulher e não pelo fato de ser um ser humano capaz de lavar louça, esquentar feijão e dar com prazer como qualquer outro humano de perereca ou pinto normal.
Se o namorado diz ‘não faça’, ela insiste um pouquinho e se cala no momento da surra moral ou física mesmo. E se o marido diz ‘não’, pronto. Ponto final. Sem discussão.
Mulher perfeita é a que manda nesse tipo de cara. Não precisa de ser feminista, mas tem que mandar. Mulheres apaixonadas devem ser apaixonadas em si mesmas, para depois ser apaixonada num idiota machista metido a gostosão.
Mulheres apaixonadas devem ser saudáveis. E eu tenho bons motivos para escrever esse texto para cada trouxa apaixonada que eu conheço.

Ser Amélia ou não ser?

Hoje ela acordou cedinho e logo foi fazer o café para o marido que em dez minutos estaria de pé.

Hoje ela custou a acordar para mais um dia de trabalho.

Hoje ela escolheu uma receita deliciosa para mais um almoço em família.

Hoje ela chegou atrasada e perdeu uma parte da reunião.

Hoje ela acordou o filhinho, deu leite com pão de queijo e o deixou brincar no cantinho dos brinquedos.

Hoje ela recebeu uma pasta com 56 problemas para resolver até de tarde.

Hoje ela começou a preparar o delicioso almoço.

Hoje ela descobriu que para resolver apenas 20 dos 56 problemas não daria para almoçar.

Hoje ela deu um banho gostoso o filhinho e o arrumou para a escolinha.

Hoje ela perdeu o almoço para tentar resolver os problemas e sentiu dor no estômago.

Hoje ela almoçou com o marido e o filhinho e comeu um delicioso pudim de sobremesa.

Hoje ela comprou uma coisinha na padaria da esquina e voltou a finalizar sua pasta de obrigações a serem solucionadas.

Hoje ela limpou o fogão, descansou um pouco e assistiu Vale a Pena Ver de Novo.

Hoje ela teve que ficar no trabalho até mais tarde.

Hoje ela ajudou o filhinho a fazer dever de casa e serviu o jantar.

Hoje ela foi embora bem mais tarde e engoliu uma comida no caminho de casa.

Hoje ela teve que pedir dinheiro para o marido para comprar um avental novo.

Hoje ela recebeu seu próprio dinheiro e comprou pela internet uma bolsa ma-ra-vi-lho-sa.

Amanhã ela vai acordar cedinho para fazer o café e sair para comprar um avental novo.

Amanhã ela vai acordar mais tarde, pois é dia merecido de folga.

Coisas que adoro

Gente, eu adoro tantas coisas que resolvi contar algumas para vocês.

Sabe o que eu adoro muito? Aqueles ambientes corporativos, com sorrisos sinceros e muito verdadeiros, sabe? Adoro! Adoro também as reuniões super rápidas de apenas 10 minutinhos que resolvem tudo e não mudam nada 15 minutos depois que elas acabam.

Adoro quando faço telefonemas e do outro lado da linha aquelas moças super felizes e realizadas me chamam de “minha flor” e “meu anjo”. Adoro de verdade! Pois realmente eu sou uma flor e um anjo.

Eu adoro pessoas extremamente simpáticas!

Hoje em dia as pessoas são bem legais e ninguém quer ferrar ninguém neste mercado nem um pouco competitivo. Isso me faz amar! O companheirismo está cada vez mais evidente nas empresas, como eu adoro isso!

É muito interessante também o “bom dia”. Todos falam isso quase que o tempo todo e o bom humor está contagiante. Você também adora isso? Eu adorooo! O que será que está acontecendo com o mundo que todo mundo é educado e receptivo, né gente? Eu adoro viver isso todos os dias.

Eu adoro quando minha vó me chama de Carolina. Sim, porque ela deve ter bons motivos para falar o nome dos netinhos todos no diminutivo e no meu nome ela resolve dizer Carolina.

Eu adoro quando minha mãe diz ter razão sobre um assunto que ela mal entende.

Eu adoro o barulho que meu pai faz pra mastigar.

Eu adoro o bom humor do meu irmão e sua maneira educada de me tratar na maioria das vezes.

Eu adoro quando alguém vem me falar de religião e tentam me convencer de algo. Adoro porque, como sabem, sou bastante religiosa mesmo, então esse é um dos meus assuntos preferidos.

Adoro homem insistente que fica no pé.

Adoro quando meu homem vai embora e me larga sozinha.

Adoro quando uma turminha de amigos bêbados ficam gritando, cantando, rindo, caindo, quebrando copo, derrubando cerveja e comendo carne que escorre sangue. Legal demais!

Adoro quando eu bebo meio copo de vodca e passo mal, voltando carregada pra casa.

Adoro quando eu bebo e falo todas as coisas que sempre quis dizer para as pessoas do meu convívio. Adoro, já que eu falo só algumas coisinhas simples mesmo.

Bom, como podem ver, eu adoro muitas coisas. Mas tem duas que eu não consigo adorar de jeito nenhum: ler e escrever.

A minha amiga

Doce, brava, bonita, ingênua e de alma boa. Sua pele é morena, seus cabelos e olhos negros e sua boca sorridente.

Ela tem um perfume marcante, um jeito de se vestir que é só dela e o sorriso mais sincero que a gente já viu. Como uma bela taurina, ela é muito sensual e com ela não existe meio termo.

Ela pode não ter tudo que ama, mas ama tudo que tem.

É marcada por uma alegria constante e pela quantidade de “por quê?” que fala em uma conversa. Gosta de saber dos mínimos detalhes, mas custa a falar de seus próprios detalhes. Consegue ter um segredo dela só pra ela, causando um certo ar misterioso, mas que logo pode ser desvendado se você conquistar a sua confiança.

Ao seu lado caminham a animação e o mal humor. É brava quando tem que ser. Mas quando não tem motivo, é a mais verdadeira companhia para sorrir, refletir e dançar até o dia amanhecer.

Ela tem um coração bom, portanto não a machuque. Ela tem a melhor das intenções, portanto se você quiser, ela vai se entregar. Ela gosta do complicado, gosta de atenção, valoriza a aparência e é toda mansa. Mas não pise na bola, ela fica enfurecida!

Preste atenção e, acima de tudo, valorize cada manifestação de afeto desta garota. Se você acha que são raros os carinhos, é porque eles são sempre sinceros quando acontecem.

Você aprende a lidar com ela aos poucos e se encanta a cada dia.

Para conviver com ela não é necessário um manual. Para ela é tudo muito simples, afinal, ela está ali, presente, para que você irá complicar?

P.S.: Deixe que ela complique e então tome cuidado para não se apaixonar. Só ela é capaz de te conquistar por suas simples complicações.